Dia de Cinema – Homem de Ferro 2

Não é sempre que um filme americano estreia no Brasil antes de chegar aos cinemas ianques. Mais incomum ainda, é um super blockbuster como Homem de Ferro 2 aportar antes por aqui. Mas é o que aconteceu.

Robert Downey Jr é Tony Stark/Homem de Ferro

Programado para chegar aos cinemas do Tio Sam no próximo dia 7 de maio, abre hoje no Brasil a exibição da segunda aventura do enlatado Tony Stark (Robert Downey Jr.), franquia da Marvel Studios que ainda faz parte de um dos mais audaciosos projetos da história do cinema. Já explico isso, antes vamos falar de super-heróis.

Eu adoro super-heróis. Qualquer um que seja. E não sou o único, outros tantos também curtem filmes de encapuzados, disfarçados e honestos (ou não) defensores da lei, com seus inimigos que adoram monólogos bem ensaiados e frequentemente querem conquistar o mundo. Sabendo disso, os estúdios hollywoodianos exploraram, e exploram mesmo, esse filão de mercado enfiando guela a baixo tudo que é tipo de adaptação de video game, séries de TV, animes e, principalmente, histórias em quadrinhos.

Essa última, é a grande nascente dos super-heróis, a maioria vinda de duas grande editoras: DC Comics e Marvel. A DC, para os íntimos, é a casa do Super Homem, Batman, Aquaman, Flash, Mulher Maravilha e afins. A Marvel fica com o Homem-Aranha, X-Men, Demolidor, Hulk, O Justiceiro e assim por diante. Exite uma guerra não anunciada entre os defensores da Marvel e os aficcionados pela DC. Tipo Sega x Nintendo, Gremio x Internacional, Ferrari x McLaren, Nestle x Lacta. É bacana, sempre rende boas conversas de botecos.

Essa onda toda de filmes de super-herói, que vem inundando cada pouco os cinemas com muita porcaria, ganhou admiração e respteito por ser tratada não apenas como produto de entretenimento para adolescentes da geração y. Nos últimos anos, algumas excessões apareceram para mostrar que uma trama com herois e vilões pode ser um grande trabalho cinematográfico, um clássico moderno. Pensando aqui, já escrevi outras vezes no blog sobre filmes de super-heróis, vindos dos quadrinhos, e não é dificil pensar em alguns bons exemplos como Sin City, Watchmen, O Cavaleiro das Trevas, Superman (dos anos 70, claro), Homem Aranha e também o Homem de Ferro, que rendeu um filme super bacana. No elenco da continuação, além de Downey Jr. que reprisa o papel-título estão Don Cheadle, Samuel L. Jackson, Gwyneth Paltrow, Scarlett Johansson, Mickey Rourke e Sam Rockwell.

O Homem da Máscara de Ferro

Na verdade além de um filme jóia, o Homem de Ferro faz parte de uma empreitada punk da Marvel Studios para um filme com um grande número de herois, no caso Os Vingadores. Para quem tem o mínimo de conhecimento da causa, Os Vingadores são um tipo de Liga da Justiça, só que da concorrência. Junta-se o Homem de Ferro, Hulk, Capitão América, Thor, Homem Formiga, Viúva Negra e coloca todo mundo pra brigar com alguém, de preferência um vilão. O final do primeiro filme com o cabeça de lata dá o ponta pé  inicial pra tramoia. Lembram que aparece o assíduo Samuel L. Jackson como Nick Fury. E também tem a formação da SHIELD (Superintendência Humana de Intervenção, Espionagem, Logística e Dissuasão). Isso também apareceu no segundo filme do Hulk, aquele que aproveitaram tão mal o Edward Norton, que tem gente que nem lembra que o filme existe. Há uma entrevista muito bacana no site Omelete com um dos manda chuvas da Marvel sobre isso.

Mas enfim, uma dos baratos dessa enrolação toda é criar um universo alternativo, repetido em diversos filmes para o terreno estar pronto quando for feito o filme. Os projetos de Thor e Capitão América já estão a todo vapor, e nos próximos anos, é aguardado o super filme juntando a penca de mascarados e afins que foram citados antes.

Enquanto a Iniciativa Vingadores não vem, vale a pena ir acompanhando os outros tantos super herois que aparecem, ainda mais quando dele saem filmes bons, no mínimo, como esse do Homem de Ferro.

Aproveitando o gancho, vou publicar por aqui o vídeo clip da banda australiana AC/DC, Shot to Thrill, que é o tema do filme. Aliás, o AC/DC, que esteve no Brasil no início do ano, é responsável por toda trilha sonora do filme, que também não abre mão, por motivos obvios, da empoeirada Iron Man, do Black Sabath.

Da música, vamos para uma ação marketeira do filme que rolou semana passada na Inglaterra. Os caras usaram um castelo como telão para projetar um vídeo cheio de firulas moderninhas sincronizado com a música do AC/DC. O resultado ficou muito bacana e vale a pena dar uma olhada.

Homem de Ferro 2 é dirigido pelo ator Jon Fraveau e está em cartaz mais cedo no Brasil.

[ATUALIZADO, dia 04/05] Costumo escrever sobre os filmes antes de assisti-los. Nesse caso, me dou o luxo de reiterar o comentário acima, dizendo que o Homem de Ferro 2 é uma porcaria, e não tem nada de bacana. Talvez para adolescentes desmiolados, aqueles mesmos que o texto atacava, mas era isso. Não quero deixar esse peso na minha consciência.

Fábio Prina_30/04/2010

Anúncios

You´ve got a friend in me

Amigos: Buzz Lightyear e Woody

Fim de semana frio e chuvoso. Nada melhor que aproveitar o clima para assistir um belo filme de baixo das cobertas. No caso, eu e a minha querida namorada curtimos uma sessão dupla com os clássicos Toy Story e Toy Story 2, já que perdemos a exibição dos longas em 3D nos cinemas, e logo logo está chegando a segunda continuação do original, no formato esterioscópico em circuito mundial.

Nessa sessão nostalgica, fiquei boqueaberto com uma cena de diálogo onde os dois personagens principais reconhecem a sua essência na história. De um lado, Buzz Lightyear, o brinquedo em forma de astronauta, assume de uma vez que não é um verdadeiro patrulheiro espacial, enquanto que Woody, o brinquedo em forma de cowboy, reconhece que perdeu o favoritismo de seu dono Andy, para o brinquedo espacial.

Nessa cena, em especial, me fez ver o quão profundo são os roteiros dos filmes Pixar, que guardam tantas sutilezas que podemos ficar meses e meses vagando por uma única produção sem abranger toda complexidade da obra. Os personagens de Toy Story, Woody e Buzz estão longe da unidimencionalidade comum nos filmes de animação que chegam todo final de semana nos cinemas. Eles tem sentimentos verdadeiros e motivações críveis para nós, do outro lado da tela, que permitem com que a históra flua de uma maneira grandiosa, arrancando emoções que muitos atores de carne e osso não chegam a arranhar.

O diálogo reproduzido abaixo, a partir do roteiro original de Joss Whedon, Andrew Stanto, Joel Cohen e Alex Sokolow, mostra isso de uma forma única. O texto foi estraído da biblioteca virtual Screenplays for You, que guarda uma quantidade infinita de roteiros completos de grandes produções do cinema mundial.

Toy Story é dirigido pelo sócio fundador da Pixar Animation Studios, John Lesseter, e ancorou nos cinemas em 1995, distribuído pela Walt Disney, com o êxito de ser o primeiro longa-metragem em animação computadorizada da história. Toy Story 3 está programado para chegar aos cinemas americanos no dia 18 de junho. Por aqui, o filme estreia no dia 25 do mesmo mês.

Trailer de Toy Story 3, que chega em junho nos cinemas

BUZZ
Andy’s house.  Sid’s house.  What’s
the difference.

WOODY
Oh, Buzz, you’ve had a big fall.
You must not be thinking clearly.

BUZZ
No, Woody, for the first time I am
thinking clearly.
(looking at himself)
You were right all along.  I’m not
a Space Ranger.  I’m just a toy.  A
stupid little insignificant toy.

WOODY
Whoa, hey — wait a minute.  Being
a toy is a lot better than being a
Space Ranger.

BUZZ
Yeah, right.

WOODY
No, it is.  Look, over in that
house is a kid who thinks you are
the greatest, and it’s not because
you’re a Space Ranger, pal, it’s
because you’re a TOY!  You are HIS
toy.

BUZZ
But why would Andy want me?

WOODY
Why would Andy want you?!  Look at
you!  You’re a Buzz Lightyear.  Any
other toy would give up his moving
parts just to be you.  You’ve got
wings, you glow in the dark, you
talk, your helmet does that — that
whoosh thing — you are a COOL toy.

Woody pauses and looks at himself.

WOODY
(continued; depressed)
As a matter of fact you’re too cool.
I mean — I mean what chance does a
toy like me have against a Buzz
Lightyear action figure?  All I can
do is…

Woody pulls his own pull-string.

WOODY (VOICE BOX)
There’s a snake in my boots!

Woody bows his head.

WOODY
Why would Andy ever want to play
with me, when he’s got you?
(pause)
I’m the one that should be strapped
to that rocket.

Fábio Prina_26/04/2010

The Guritles

Para aqueles que não conhecem, esta prosa fará bem. O Guri de Uruguaiana, personagem do humorista Jair Kobe, é um gaudério de mão cheia. Mão e boca, já que no espetáculo homônimo ao personagem não faltam trejeitos linguisticos para esteriotipar (de modo respeitoso) a persona típica dos pagos do Rio Grande.

Conto isso, porque estava lendo o jornal de manhã e cruzei os olhos sobre uma matéria falando que a tal peça do Guri de Uruguaiana entra em sua oitava temporada na capital gaúcha. Se tu desconhece por completo do que se trata é mais ou menos assim: no espetáculo, o humorista conta os famosos causos do guri de uruguaiana, intercalando com paródias musicais (ou seria de uma música) e, claro, homenagens ao ícone da cultura do estado, o Gaúcho.

Fora dos palcos, o rapazote também ficou famoso por aparições na internet, em especial das suas variações de O Canto Alegretense, uma das mais clássicas composições da música tradicionalista. E é por essas beiradas que vamos. Além do vídeo que publico abaixo, também é possível ver as performances do Funk do Guri de Uruguaiana e da música Thriller, de Michael Jackson, em versão bem gauderiada.

O vídeo abaixo apresenta 0 Guri de Uruguaiana, Rui Biriva, Daniel Torres e Licurgo (gaúcho emo) em uma paródia da música Help, daquele quarteto que já falamos algumas vezes nesse blog.

Gaúcho emo com direito a botinha All Star… bagual

Fábio Prina_15/04/2010

Rock in a Hard Place

Aerosmith toca em Porto Alegre no dia 27 de maio

Tudo começou na tarde de ontem, segunda-feira, 12 de abril, quando o diretor de programação da rádio Pop Rock, Mauro Borba, twittou que a banda Aerosmith estaria com um show confirmado na cidade de Porto Alegre, dia 27 de maio, na Fiergs. O que parecia um boato daqueles tipo “vai sair o novo disco do Guns” foi ganhando corpo ao longo das horas.

Até o início da noite, os sites Whiplash e Omelete confirmavam a informação. Em seguida o ClicRBS também já estava com a nota postada em seu portal de comunicação. Mas a dúvida deu lugar a empolgação apenas hoje pela manhã, quando tomei meu café acompanhado por Steve Tyler e Joe Perry impressos na capa do Segundo Caderno do Zero Hora. Além das informações twittadas por Borba, agora o concerto já tem preço de ingressos, horário de início e confirmação da assessoria de imprensa da banda.

Entre outras palavras: os dinossauros do rock Aeromsmith apresentam em Porto Alegre a turnê COCKED, LOCKED, READY TO ROCK TOUR! no dia 27 do próximo mês! Na mesma temporada que trouxe para capital gaúcha Metallica, Franz Ferdinand, The Creamberries, Guns n´Roses, Dream Theater, Moby, Placebo, entre outros junta-se ao bolo uma das maiores bandas de rock de todos os tempos.

Estamos ainda em abril, mas já podemos dizer que 2010 é o ano dos grandes espetáculos por aqui.

Pra relembrar: Dream On – mais do que clássica

Fábio Prina_13/04/2010

Informações rápidas para pessoas apressadas

Com o retorno da rotina de trabalho, estudo, vida social e afins, parece que o tempo encurtou um pouco. O que antes era um passatempo descontraído, agora tornou-se um desafio a minha capacidade: encontrar alguns minutos para contar o que ando fazendo e o que tem me chamado a atenção no mundo pop, cinematográfico, musical, jornalistico, publicitário e curioso. Então, já que anda meio complicado complicar informações, vamos fazer um repidão do que anda acontecendo e divagar sobre o que anda acontecendo por aí.

The Pacific, nova série de guerra produzida por Steven Spielberg e Tom Hanks

Por primeiro, ontem a noite obriguei minha namorada a ficar na frente da televisão para assistir a estreia de The Pacific, nova série da duplinha Hanks e Spielberg sobre a II Guerra Muncial. Diferente das obras anteriores, o longa O Resgate do Solgado Ryan e a minissérie Band Of Brother, os produtores decidiram explorar os conflitos no pacífico, onde tropas aliadas combateram o exército do Império do Japão.

Neste primeiro de 10 episódios, fomos apresentados ao trio de protagonistas que levará o enredo nas costas. Os personagens desembarcam na baía de Gualdacanal, nas Ilhas Salomão, em uma cena tensa, que relembra o desembarque na Normândia, reproduzido nas obras anteriores. Diferente do que acontece nas batalhas europeias, a recepção no pacífico é calma sem bala voando pra tudo que é lado. Até que os olhos puxados surpreendem os ianques em um conflito que inicia na madrugada escupa da ilha e vai até o entardecer do outro dia. Como usual na obra de guerra de Spielberg, o heroísmo da guerra da lugar aos medos e as angustias. É o grande drama que carrega as histórias, para isso, muito se conta antes que a ação tome conta do que estamos vendo.

Como foi dito no merchandising que fizemos há algum tempo, a série passa o canal pago HBO, nos domingos às 22h. Vale, e muito, assistir a esse novo trabalho.

Da segunda guerra para o Iraque. Passando por uma videolocadora, tive a oportunidade de retirar, tardiamente, o vencedor do Oscar de 2010. Guerra ao Terror, que passou batido pelos cinemas, veio direto a vídeo, foi relançado nos cinemas e agora foi relançado novamente nas locadoras.

O filme da diretora Kathryn Bigelow, pareceu pra mim, um trabalho ordinariamente comum. E digo sem medo das pauladas vou levar, sendo que a obra, já nasceu meio esquecida, mas acumulou um batalhão de defensores. É o mais do mesmo que se vem fazendo. Pareceu um repeteco de Soldado Anônimo, só que com explosões super estilizadas e muita câmera lenta. Pode ser que a expectativa de ver um filme premiado com o Oscar, a frente de obras como Avatar, Bastardos Inglórios e Amor Sem Escalas, deve tenha me deixado muito mais exigente, mas de qualquer forma, pessei liso pelos elementos que fizeram desse longa um clássico moderno.

Acho que estou com saudades daqueles heróis que também faltam na série que comentei acime. Aqueles que não tinham medo de nada, matavam tudo que vinha pela frente e se a coisa ficava feia, colocavam uma faixa na cabeça, pintavam a cara e caiam no pau. Tipo Rambo, Bradock, Remo, John Matrix e assim por diante.

Distrito 9 é o grande achado da rodada

Na mesma locadora achei um outro filme que deixei escapar nas salas de cinema. Distrito 9, do sul-africano Neill Blomkamp, apadrinhado pelo neo-zelandes Peter Jackson. A premissa é genial: no centro de Joannesburgo, na África do Sul, uma nave alienígina fica empenhada sem qualquer tipo de “maiores explicações”. Incheridas, as autoridades decidem invadir o negócio e encontram cerca de 1 milhão de ets subnutridos em condições incabíveis de sobrevivência. Sem demora a comunidade internacional preciona o país da Copa do Mundo a assentar os bichinhos que parecem camarões. Ao invés de tudo ficar numa buena, o novo alojamento dos visitantes espaciais se transforma em uma favela que sobrevive do tráfico de comida de gato, sexo entre as raças e armas de ambos lados. Dali então, o filme toma contornos muito parecidos com as posições políticas do apartheid que tomou conta do cenário sul-africano até o início dos anos 90.

Os humanos não aceitam mais a presença dos aliens, e querem removê-los para uma espécie de campo de concentração, a 200 quilometros da cidade. Porém, no meio da coisa, o oficial responsável pela relocação dos camarões é infectado por uma substância que começa a regenerar a sua forma humana na forma alien. Contando assim, superficialmente, parece um filme de ficção B, tipo o Cérebro do Planeta Arous, mas longe disso, o filme é brilhante na maneira de mostrar como os monstros são os humanos, que não aceitam nada diferente e preferem o caminho fácil de eliminar os problemas.

Álbum da Copa do Mundo, tradicional gasto de dinheiro de 4 em 4 anos

E para encerrar esse post de informações inuteis, já que falamos antes no país da Copa, na última sexta-feira, passei na livraria para comprar o meu álbum de figurinhas oficial da Copa do Mundo 2010. Como faço tradicionalmente, esta é uma coleção que me cativa a juntar as cabeças dos jogadores, pra ver se fico um pouco mais por dentro da competição. Esse ano são nada menos que 637 cromos, dos quais já completei 140.. até agora. Se alguém quiser trocar as repetidas, favor entrar em contato, ou me encontre na porta da escola antes do sinal!

Volto a postar na sequência, quando encontrar um pouco mais de tempos e assuntos interessantes para comentar.

Fábio Prina_12/04/2010

Isso me lembra alguma coisa…

Lá nas gringas, a Rolling Stone do mês de abril chega com o elenco do seriado musical Glee estampando a mais clássica capa de uma revista do universo.

Famosa por criar imagens que se tornam ícones da cultura pop, a capa da Rolling Stone é sem dúvida uma das criações de editoria de arte mais badaladas do mundo.

O que me fez investir 5min da minha vida neste post é que achei estranhamente familiar a foto montagem que estampa parte do elenco do seriado Glee na revista. Talvez vocês até concordem comigo que faltou um pouco de criatividade por parte da revista, ou eu que estou exagerando, e tudo não passa apenas de uma bonita homenagem para outra capa antológica, sobre um dos melhores seriados de toda história.

Boa semana….

Glee, capa de Abril de 2010

Friends, capa de Maio de 1995

Fábio Prina_05/04/2010