Fábio_Prina_blog _cinema_cultura_música_livros_fotografia_ e_outras_besteiras_desinteressantes.

27 de fevereiro de 2013

Lista de Presentes de Aniversário!

Galera,

Dia 28 (amanhã) eu faço 28 anos. Pra não ter aquela história tipo: “poutz, o que eu vou dar pro amigo esse ano, mesmo que não tenha festa” fiz uma modesta listinha com 15 sugestões bacanas! Só apurem, já que alguns artigos necessitam de encomenda!

Lista de Presentes de Aniversário para o Prina:

 

15 – Um charuto pra fazer aquela fumaceira: Cohiba Behike 56 

14 – Uma bebidinha pra molhar a guela: Château Petrus

13 – Uma TVsinha pra ver a novela: LaserVue – Mitsubishi

12 – Um relóginho pra não perder a hora: Omega Museum

11 – Um chinelo, pra chinelagem: Giorgio Armani Pointed Sandals

10 – Um desenho pra colorir: Les Saltimbanques – Pablo Picasso

9 – Um instrumento musical, pra fazer um sonzinho lá em casa: Franch Piano

8 – Uma moto, pra dar aquela banda nos paralelepipido: MV Augusta F4RR

7 – Uma roupinha pra não sair mal arrumado de casa: Alexender Amosu Suit

6 – Um telefone, pra poder ligar pro pessoal, né! Alexander Amosu Diamond Blackberry

5 – Uma caneta pra perder como todas as outras que já tive! Aurora Diamante Pen

4 – Uma canoa, pra pescar no rio Jaguari: Moorings 5800 Catamaran

3 – Um óculos de sompra, pra curtir na praia: D&G 2027B

2 – Uma fubica por que andar a pé na chuva é triste: Ferrari 458 Spider

1 – E, claro, um velho e pequeno sonho de consumo, porque todo mundo merece um pouquinho de luxo nessa vida.

Columbus Global Explorer

 

Fábio Prina_27_2_2013

9 de fevereiro de 2012

The Oscars 2012 – Os indicados

Bem, como é de costume nesse espaço bizarro na web, vou postar alguma coisa sobre a 84ª Cerimônia de Premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, também conhecido como o Oscar. Desde muito piá que eu acompanho essa festa. Acho tri legal os figurões lá, fazendo piadinha, discursinho e até alguma que outra apresentação interessante.

Porém neste ano, de todos que eu venho acompanhando, digamos desde 1994 ou 95 (tá não sou o Rubens Ewald Filho), não tenho qualquer atração por assistir essa festa. Não sinto que tem aquele filme, que me faça torcer, ou aquele ator/diretor que fez um trabalho fenomenal e eu gostaria que ele saísse com o carequinha dourado debaixo do braço. Esse ano, de todos, me parece o mais sem graça no cinema.

Outro motivo, além desse que eu acho mais infantil e sincero, não ando indo muito ao cinema. Sempre tive a preocupação de não me tornar um desses reclamões xaropes, que ficam achando qualquer picuinha pra não se divertir. Mas no caso do cinema, eu me tornei um muito precoce. Não tenho mais saco pra ir ao cinema. O atendimento é péssimo, o público é mal educado, as salas estão cada vez piores (digo, pelo menos as de Caxias do Sul / Bento Gonçalves / São Leopoldo / Porto Alegre, onde costumo ir), os celulares acendem/tocam toda hora, a conversa paralela pega geral e a latinha de refrigerante TEM que ser aberta exatamente na hora uma cena sentimental ou silenciosa, sei lá… assim por diante!

Sem falar que, além de filmes bons já terem um histórico marginalizado nas modernas salas de cinema, com a disseminação do 3D, agora achar uma produção interessante o suficiente pra se tenha vontade de ver num multiplex de 10 salas é uma raridade. Então larguei a barca de mão.

Feito o desabafo, não vi nenhum filme do Oscar. Às exceções são o último do Woody Allen, Meia Noite em Paris, o qual fui literalmente arrastado para o cinema pela minha namorada, mas o filme é ótimo, e o hermético A Árvore da Vida, de Terrence Milick, que tive que admitir, é demais pra mim. Até quis gostar desse filme, mas na terceira tentativa de ver, na terceira cochilada… não deu certo.

Enfim, o festa do Oscar acontece no domingo, dia 26 de fevereiro, dois dias antes do meu aniversário, à partir das 22h, com transmissão ao vivo da TNT. A Globo também deve transmitir, mas apenas para aqueles que tiverem paciência de aguardar o término do Fantástico e a íntegra de mais um ótimo capítulo da novela Big Brother Brasil. O apresentador da cerimônia será o ator e comediante Billy Crystal, pela enésima vez, pô, nem nisso os caras quiseram inovar um pouco?

Os dois filmes recordistas em indicações são: A Invenção de Hugo Cabret, de Martin Scorsese, com 11, seguido pelo filme francês mudo e em preto e branco O Artista, grande favorido da festa. Segue abaixo todos os indicados à premiação. Coloquei um asterisco  nos meus prediletos. Se eles não ganharem também… ah que se dane!

  • Melhor filme

Os Descendentes
A Árvore da Vida
Histórias Cruzadas
A Invenção de Hugo Cabret
O Homem Que Mudou o Jogo
Cavalo de Guerra
O Artista
Meia-Noite em Paris *
Tão Perto e Tão Forte

  • Melhor ator

George Clooney – Os Descendentes * 
Brad Pitt – O Homem Que Mudou o Jogo
Jean Dujardin – O Artista
Demián Bichir – A Better Life
Gary Oldman – O Espião que Sabia Demais

  • Melhor atriz

Glenn Close – Albert Nobbs
Viola Davis – Histórias Cruzadas
Rooney Mara – Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres *
Meryl Streep – A Dama de Ferro
Michelle Williams – Sete Dias com Marilyn

  • Melhor ator coadjuvante

Kenneth Branagh -Sete Dias com Marilyn
Nick Nolte – Guerreiro
Max Von Sidow – Tão Perto e Tão Forte
Jonah Hill – O Homem Que Mudou o Jogo
Christopher Plummer – Toda Forma de Amor

  • Melhor atriz coadjuvante

Bérénice Bejo – O Artista
Jessica Chastain – Histórias Cruzadas
Janet McTeer – Albert Nobbs
Melissa McCarthy – Missão Madrinha de Casamento *
Octavia Spencer – Histórias Cruzadas

  • Melhor diretor

Woody Allen – Meia-Noite em Paris *
Terrence Malick – A Árvore da Vida
Alexander Payne – Os Descendentes
Michel Hazanivicous – O Artista
Martin Scorsese – A Invenção de Hugo Cabret

  • Melhor roteiro adaptado

A Invenção de Hugo Cabret
Tudo pelo Poder
Os Descendentes
O Espião que Sabia Demais
O Homem Que Mudou o Jogo

  • Melhor roteiro original

Meia-Noite em Paris *
O Artista
Margin Call – O Dia Antes do Fim
Missão Madrinha de Casamento
A Separação

  • Melhor filme em lingua estrangeira

A Separação (Irã)
Bullhead (Bélgica)
Monsieur Lazhar (Canadá)
Footnote (Israel)
In Darkness (Polônia)

  • Melhor longa animado

Gato de Botas
Kung Fu Panda 2
Rango *
Um Gato em Paris
Chico & Rita

  • Melhor trilha sonora original

As Aventuras de Tintim
O Artista
O Espião que Sabia Demais
A Invenção de Hugo Cabret
Cavalo de Guerra

  • Melhor canção original

“Man or Muppet” – Os Muppets
“Real in Rio” – Rio

  • Melhores efeitos visuais

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2
A Invenção de Hugo Cabret
Gigantes de Aço
Planeta dos Macacos – A Origem
Transformers: O Lado Oculto da Lua

  • Melhor maquiagem

Albert Nobbs
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2
A Dama de Ferro

  • Melhor fotografia

Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres *
O Artista
A Invenção de Hugo Cabret
A Árvore da Vida
Cavalo de Guerra

  • Melhor figurino

Anônimo
O Artista
A Invenção de Hugo Cabret
Jane Eyre
W.E. – O Romance do Século

  • Melhor direção de arte

O Artista
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2
A Invenção de Hugo Cabret
Cavalo de Guerra

  • Melhor documentário

Hell and Back Again
If a Tree Falls
Paradise Lost 3: Purgatory
Pina
Undefeated

  • Melhor documentário de curta-metragem

God is the Bigger Elvis
The Barber of Birmingham: Foot Soldier of the Civil Rights Movement
Incident in New Baghdad
Saving Face
The Tsunami and the Cherry
Blossom

  • Melhor montagem

Os Descendentes
O Artista
Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres *
O Homem Que Mudou o Jogo
A Invenção de Hugo Cabret

  • Melhor curta

Pentecost
Raju
The Shore
Time Freak
Tuba Atlantic

  • Melhor curta animado

Dimanche
The Fantastic Flying Books of Mister Morris Lessmore
La Luna
A Morning Stroll
Wild Life

  • Melhor edição de som

Drive
Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres *
Cavalo de Guerra
A Invenção de Hugo Cabret
Transformers: O Lado Oculto da Lua

  • Melhor mixagem de som

Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres *
Cavalo de Guerra
A Invenção de Hugo Cabret
Transformers: O Lado Oculto da Lua
O Homem Que Mudou o Jogo

Se quiserem dar uma checada nos posts das últimas edições do Oscar, deem uma clicada em 2011, 2010 e 2009.

Fábio Prina_09/02/2012

31 de janeiro de 2012

Fotografando fotógrafos

Há certas coisas que são simplesmente geniais. Quando digo isso, penso em separar essa expressão e dar ênfase ao simples.

A proposta do fotógrafo americano Tim Mantoani chega ser tola: fotografar fotógrafos. Mas ao mesmo tempo, ela dá cara a uma leva de grandes testemunhas oculares que registraram o nosso tempo.

O negócio é o seguinte: Mantoani retratou entre 2006 e 2011, cerca de 120 grandes nomes da fotografia. A ideia de Tim era simplesmente colocar as imagens, verdadeiros ícones do nosso tempo, junto aos seus autores, pousando de trás da obra. O resultado é maravilhoso e emocionante.

Para dar um pouco mais de charme para essa ideia, o autor do projeto Behind Photographs se propôs a levar seus colegas a um estúdio e fotografá-los com uma câmera instantânea Polaroid de 20×24 polegadas, algo que hoje em dia, é mais do que obsoleto. Só de observar o trambolho no estúdio, com sanfona e chapa para a revelação, dá ares nostalgicos e conceituais a obra.

As imagens de  Behind Photographs viraram um livro que foi recentemente lançado nos EUA, e ainda não tem venda no Brasil. A obra sai por apenas cerca de $60, em uma edição simples, e chega aos $395, um uma limitadíssima edição numerada e autografada. Quando chegar por aqui, preparem os talões de cheques, porque não vai ser barato!

Mas deve valer o investimento, para fazer com que a gente se sinta um pouco mais íntimo destes grandes deuses da fotografia.

Segue abaixo algumas peças que fazem parte da obra, contando que no livro, são mais de 150. Em seguida, também há uma apresentação do projeto de Tim, por ele mesmo, inclusive, detalhando o forma de captura das imagens.

Para quem quiser saber um pouco mais sobre o trabalho, dá pra dar uma visitada na página do projeto.

Vi isso no JacaréBanguela.

Fábio Prina_31/01/2012

1 de dezembro de 2011

Direto do Quarto da Imprensa

Bom, tarde de folga no interior de São Paulo. Chovendo pra caramba por aqui, então estamos ilhados no hotel. O que poderia ser uma tarde de tédio, na real foi até que… produtiva. Muito porque aqui no, agora popular, Quarto da Imprensa, sempre se tem alguma atividade. Seja o Ivanir Pinto passando um boletim ao vivo pra Rádio Garibaldi, o Julio Martins fazendo alguma matéria para o Olá Serra Gaúcha, ou, esse que vos escreve, preparando algum material para a equipe da ACBF Futsal.

Enfim, nessa tarde o Júlio publicou um texto legal sobre um vídeozinho que está bombando na net e aproveitou para contar um pouco dessa situação de ficar ilhado aqui. Reproduzo abaixo, sem a devida licença do autor.

Galera da Imprensa no famoso Quarto da Imprensa em Orlândia – SP

 

Curtam, como ele mesmo recomenda:

O que você faria sem o Facebook?

by Julio Martins

Ótima pergunta não? A cada dia que passa nos tornamos tão dependentes deste mecanismo que sequer podemos pensar em um futuro sem curtidas, compartilhadas, cutucadas e todo o resto. Mas, como dizem por aí, se tudo que é bom um dia chega ao fim, talvez fosse esse o momento de começarmos a nos preparar para essa verdadeira “tragédia”. Pois é. Acreditem ou não, já tem gente imaginando isso.

Sem muita inspiração para escrever por aqui, e dando prioridade para outras pautas por aqui, achei uma ótima ideia postar esse vídeo.

Depois de quatro dias de calor intenso aqui em Orlândia, onde acompanho a ACBF na Taça Brasil pela Rádio Estação, a tarde foi de folga por aqui – e de chuva também. Estávamos por aqui eu e o Fábio Prina, assessor de imprensa do clube de Carlos Barbosa, ouvindo música e trocando umas ideias quando a “pauta” surgiu, ao som de Echo And The Bunnymen.

 

O Fábio me contava que o vídeo, uma paródia de “A Rede Social”, foi apresentado a ele pela namorada Raquel, hoje pela manhã. Uma baita sacada e que vale umas boas risadas. Sendo assim, resolvi compartilhar com os amigos.

Curtam, compartilhem, comentem… aproveitem enquanto o Facebook ainda tá por aí, à disposição.

PS.: Como sei que o Fábio vai ler e colocar defeito no texto, já deixo o recado. Posta do jeito que quiser, mas lá no teu blog.

Fábio Prina_01/12/2011

18 de outubro de 2011

Quanto vale ou é por quilo?

Na última sexta-feira, 14 de outubro, sairam os ingressos em pré-venda para o esperadíssimo (pelo menos para este blogueiro de final de semana) show do ex-integrante do Pink Floyd, Roger Waters, no Brasil.

Antes de entrar no mérito de valores, cabe salientar que esta pré-venda foi realizada exclusivamente para áreas nobres dos espetáculos que passam por PoA, Rio e, em duas datas, em São Paulo, destinadas a fãs que se cadastraram no site oficial da turnê The Wall.

Pois bem, em Porto Alegre (como falamos neste post anterior), onde a função foi remarcada para o dia 25 de março, véspera de aniversário da minha namorada amada, no estádio Beira-Rio, os tickts surgiram à venda com valores de R$280 e R$500, respectivamente para “cadeira coberta” e “plateia VIP”. Para um apreciador de espetáculos elitistas, os valores não assustam, tendo em vista que Bob Dylan, João Gilberto, entre outros, oferecem entradas com valores muito acima desses. Já um corriqueiro expectador de eventos,  tal como eu, fica numa estranha sensação. Quinhentos reais, quase um salário mínimo, para um show, mesmo se tratando de Roger Waters, e mesmo se tratando de The Wall, é algo a ser refletido.

Digo com absoluta certeza, em Porto Alegre, este é o maior valor já colocado ao grande público para um show ao ar livre. Claro que houveram exceções nos camarotes ultra VIP do show do Paul MaCarney ou nas cadeiras premium da vida em outros espetáculos de menor expressão até, mas de pé, na pista, no meio da massaroca, nunca tinha ouvido falar em quinhentão pra ver um show. E quando achei que estava delirando, sentindo o punhal fisgar o bolso, li que em São Paulo, onde Waters se apresenta em dois dias no Morumbi, o valor da plateia VIP é de incabíveis R$900.

Volto a dizer que estamos falando de um espetáculo de proporções bíblicas, ou quase. Mas em censo comum, uma grana dessas nos faz refletir, e muito. Como comentei em alguma discussão no facebook, em 2002, quando alguns amigos e eu fomos conferir o “gênio do Pink Floyd”, como vendia os anúncios e outdoors, pela primeiríssima vez no país, o preço do ingressos mais caros, era o que havíamos comprado por R$50. Simplesmente dez vezes menos do que o atual preço. Há também que salientar que naquela época, não havia pista premium, vip, supervip, plateia gold e afins para os espetáculos, deixando toda boiada junta, sem cobrar muito mais, para aqueles que estivessem dispostos a pagar.

Enfim, feito o desabafo, ainda não adquiri o meu ingresso para o caríssimo show de Roger Waters em PoA, em março do próximo ano, mas ainda estou firme na ideia de prestigiar este, que é um dos grandes, senão o maior, ídolo da música para mim. Mas fica essa reflexão, afinal, quanto vale ou é por quilo?

[Atualizado – 27/10] – Saiu ontem, dia 26 de outubro, os preços e setores completos para a The Wall Tour, em suas quatro apresentações no Brasil. Os preços ficaram naquela mesma média comentada anteriormente, e o ingresso mais caro ficou mesmo aquelas $500 pratas que apavoraram os desavidos. Segue abaixo a lista completa de valores e um mapinha bacana para se localizar melhor no chiqueirão da Padre Cacique, cortesia da Time4Fun.

PORTO ALEGRE – Roger Waters The Wall
Local: Estádio Beira Rio: Av. Padre Cacique, 891 – Praia de Belas – Porto Alegre – RS
Data da apresentação: 25/03/2012
Horário show: 20h
Classificação etária: 12 a 13 anos acompanhados dos pais. Acima de 14 anos, desacompanhados.
Capacidade: 48.001 lugares
Acesso para deficientes

Setor
PISTA PRIME R$ 500,00
PISTA R$ 240,00
ANEL INFERIOR R$ 240,00
CADEIRA COBERTA R$ 280,00
CADEIRA DESCOBERTA R$ 180,00
– Pré-venda American Express® Membership Cards e Bradesco Cartões: entre 29 e 31 de outubro de 2011
– Vendas ao público em geral: A partir de 01 de novembro de 2011
– Vendas limitadas a 06 ingressos por pessoa

Fábio Prina_18_10_2011

27 de julho de 2011

Entrei em Pânico Parte 2 – Uma crítica nada imparcial

Sou um grande fã de críticas cinematográficas. Até mesmo daqueles textos esdrúxulos de revistas de variedades, onde os pseudo-intelectuais que escrevem entendem menos de filmes que qualquer ratão de videolocadora. Mas não sou muito adepto a escrever críticas, talvez porque eu nem saiba como fazer uma, ou talvez porque eu não me sinta a vontade colocando bedelho nos trabalhos alheios.

Mas pra tudo existe exceção, correto? Então, deixo de lado esses despretensiosismos para malhar o último filme do meu ‘amigo’, colega de profissão, vizinho, blogueiro e antiga parceria de ceva Felipe M. Guerra, também conhecido nas entranhas de Carlos Barbosa como o Shit.

Um brevíssimo histórico para encher salame

Para quem é completamente ignorante da pessoa que falamos, vamos fazer um brevíssimo histórico para contextualizar a coisa. Felipe do Monte Guerra, o Shit, é um jovem de trinta e poucos anos, nascido e criado na bela Carlos Barbosa, cidade onde eu também resido, na Serra Gaúcha. Aficionado por filmes bagaceiros de terror, no início de sua adolescência ele iniciou o hobby que, anos mais tarde, não lhe traria fama e fortuna: fazer filmes amadores com amigos, parentes e conhecidos nas condições mais amadorísticas possíveis.

Seu debut na sétima arte foi com o thriller de ação em média-metragem Ponto de Ebulição, de 1995, exibido apenas em sessões fechadas para íntimos e passado de mão a mão através de tenebrosas cópias em VHS. Hoje é difícil ter acesso a esse material escondido do grande público, com uma certa dose de bom censo, pelo ‘estúdio’ particular de Felipe, a Necrófilos Produções Artísticas.

Em 1998, emerge ao público o primeiro trabalho na filmografia oficial do realizador, a incrível odisséia do jovem que queria comer a guria mais boa de Barbosa. O filme era Patrícia Genice, estrelado por Fabiano Taufer, que, com o passar dos anos, foi reeditado e exibido mundo afora em festivais e mostras cinematográficas.

Alguns projetos cancelados depois, Felipe deu início ao seu filme mais conhecido, mais repercutido e mais importante filme, até então. Entrei em Pânico ao Saber o Que Vocês Fizeram na Sexta-feira 13 do Verão Passado, de 2001 (veja o trailer aqui). A produção, orçada em R$ 250,00, foi o grande marco na carreira do realizador, com matérias em TV nacional, revistas especializadas e convites para engrenar de vez a carreira cinematográfica do Spielberg da Serra Gaúcha (!). O longa foi lançado com 120min de duração e após alguns anos, voltou ao circuito caseiro/comercial/cult com cerca de 40 minutos a menos.

No auge de suas pretensões de filmar com poucos recursos, sem qualquer equipamento para captação de som, iluminação e outras frescuras cinematográficas gravou após uma pausa de cinco anos outro longa, Canibais & Solidão (que já ganhou mensão neste blog), uma comédia romântica pretensiosa sobre canibalismo. Apesar do título querer vender a história de canibais, tem muito pouco disso no filme, que não passa de uma divertida aventura romântica adolescente.

Ainda há espaços para mais dois trabalhos em curta-metragem: Mistério da Colônia, de 2003, que contou com a participação do apresentador global Luciano Huck, e o novíssimo Extrema Unção, 2010, rodado com a desculpa de testar uma câmera digital nova, estrelando a avó do diretor, Odina do Monte, como uma assombração.

Entrei em Pânico 2 – A Crítica

Só pra avisar: se você ainda não assistiu ao filme, nesse texto contém uma série de informações que talvez vá revelar uma ou outra surpresa. Então, te liga!

Entrei em Pânico ao Saber o que Vocês Fizeram na sexta-feira 13 do Verão Passado Parte 2 – A Hora da Volta da Vingança dos Jogos Mortais de Halloween, sim, esse é o nome completo do filme, não é o melhor trabalho na filmografia de Felipe M. Guerra. Ainda curto mais o nostálgico Patrícia Genice. Mas pra ruim não serve também. Na real, todos os filmes do diretor, lembrando que são feitos de forma amadora, estão naquele naipe “é tão ruim que chega a ser bom”.

Tobão e a namorada curtindo um chimarrão na cena que abre o filme

De cara, os expectadores são apresentados a uma rápida recapitulada aos acontecimentos da história antecessora, que mostrava o massacre de um grupo de jovens na concentração de sua festa de formatura. O assassino em questão era um dos colegas, que sofria com a corneta e a tiração de sarro, muito, por causa do nome, Geison. Vestido com a roupa e a máscara do assassino da série Pânico, Geison matou a faconadas, torneiradas e marteladas seus colegas do tempo de ginásio e outros desavisados. Ao que sabemos, apenas duas pessoas sobreviveram à chacina: Eliseu e Niandra, interpretados respectivamente por Eliseu Demari e Niandra Sartori, que, ao final do primeiro filme prometem retornar na Parte 2 para acabar com a raça do assassino maldito.

Passados sete anos dos acontecimentos que marcaram a história de Carlos Barbosa  com o “massacre da sexta-feira 13”, o medo dos sobreviventes renasce após um duplo homicídio as margens do Lago Cristal (citação mais que pífia). A cena que abre o filme, ao som de Vento Negro, tocada por Tobão (Tobias Sfoggia) retoma de maneira muito competente tudo que ocorrera antes. Mesmo assim, o diretor/roteirista/produtor/editor (estilo Robert Rodrigues-faz-tudo) insiste em explicar mais e mais vezes o que todo mundo já entendeu (ou pelo menos desconfia), tratando e expectador como um completo idiota.

Niandra, ao lado do seu guarda-costas, tentando se recompor do passado

Falando nisso, eu não entendo porque Felipe insiste em explicar tanto, tanto e tanto o que os personagens querem fazer, porque eles fazem e como é que eles fazem, e ao mesmo tempo apela para piadas internas e citações de seus outros filmes, como o manjado jargão “Eu sou gatão, eu sou gatão!” ou a péssima fala “Porco Dio, não me mata!”. Se por um lado ele acha que os espectadores nunca viram um filme na vida, ele também acredita fielmente que, assim como Tarantino, pode ser dar o luxo de citar sua própria obra, porque afinal, todo mundo a conhece!?

Mas enfim, voltando. Assustado, Eliseu procura por Niandra, que vive agora sob a tutela de um segurança particular, interpretado de forma magnânima por Leandro Fachinni. Paralelamente, Goti (Rodrigo Guerra, irmão do diretor), leva uma vida secreta em Porto Alegre, em uma cadeira de rodas, escondendo de todos a sua sobrevivência ao massacre do primeiro filme. Numa bela manhã ensolarada, Goti decide retornar a Carlos Barbosa acompanhado pelo seu pervertido e putanheiro psiquiatra, interpretado por Kiko Berwanger, após ler uma notícia sobre um assassinato no jornal. Para retomar: no primeiro filme, Goti havia sido atravessado por um facão de açougueiro, enquanto estava deitado na cama. A tosquisse do retorno de Goti é tratado de forma cômica, em um diálogo que explica toda a trajetória do personagem: “Goti, tu foi atravessado por um facão, imagina a probabilidade de sair vivo de algo assim, só em um filme muito ruim mesmo”, divaga o psiquiatra ao paciente.

Goti e o seu psiquiatra decidem voltar para Carlos Barbosa

Saltando um pouco no roteiro, de volta a Carlos Barbosa, numa noite de sexta-feira, 13, um grupo de adolescentes ensaia uma bebedeira antes da sua formatura do colégio. São quatro meninas e um cueca, que são surpreendidos de forma rápida pelo assassino com as mesmas vestes do vilão lá do primeiro filme. O massacre é cruel. O assassino se diverte degolando uma menininha, estripando outra, arrancando o olho do rapaz, etc… Ninguém sobrevive. Niandra e Eliseu vão até a festa para checar se está tudo bem com a galera, mas chegam tarde demais.

Após a calamidade daquela montoeira de sangue, não há mais dúvidas: Geison, o assassino original, está de volta para terminar o serviço. Até então o filme estava em um pique baixo, mesmo com muito sangue e muito humor, na maioria involuntário. A intenção de Felipe em se apoiar aos clichês de filmes de terror é interessante, mas volta e meia incomoda quem espera algo um tanto novo ali. Pelo menos as mortes são mais originais que no antecessor, uma vez que o bairrismo gaúcho inspirou o diretor a colocar chimarrão, salsichão com pão e até uma garrafa velha de vinho nas grotescas cenas sangrentas.

O assassino mascarado obersava suas póximas vítimas

Passados os sustos iniciais, os três remanescentes se encontram após tantos anos, na casa de Niandra. Em uma cena onde poderia ser explorado um pouco mais o lado humano daqueles calhordas, o filme passa reto, e não deixa nenhuma brecha para um pingo de emoção sequer. Dessa forma, os três se unem para fugir/matar o assassino no improviso mesmo.

Um vício que me pareceu presente, quase que como um cacoete do diretor/montador é o uso de fade – out, aquele efeito de terceira utilizado pra escurecer a tela de forma lenta e marcar a passagem de tempo, tipo de um dia pra outro, ou muito mais que isso. Já que o filme se passa todo em três dias, é um exagero usar quatro… cinco… seis vezes… ao longo da história.

No universo estúpido dos filmes de terror existem algumas regras estúpidas, inclusive que o próprio Felipe faz alusão no primeiro filme, com uma reportagem sobre o lançamento de um livro chamado “Porque os Filmes de Terror são tão Estúpidos”. E é baseado nessas regras estúpidas que surge o grande acerto de Entrei em Pânico 2! Os personagens de Goti, Niandra, seu guarda-costas e Eliseu (com sua inseparável espada samurai!) decidem se esconder em um sítio no interior da cidade, rodeado pelo mato e isolado de tudo! Ali, com as janelas e portas envidraçadas e escancaradas, os personagens pretendem se proteger do matador!

O cueca da festinha que acabou caolho

O que acontece depois é uma série de cenas ainda mais estúpidas. Indignado com a facilidade dos acessos da casa, o guarda-costas decide ir até a casa de ferramentas pegar madeira e pregos para fechar portas e janelas. Deixando os três cagões sozinhos na casa e, claro, morrendo esquartejado no galpão mesmo. Aliás, essa cena é a mais engraçada do filme, com um momento musical protagonizado pelo segurança.

No calar da noite, o assassino ataca os personagens principais que a princípio conseguem escapar, se dividindo pelo meio do mato, e se reencontrando para o gran finale, lá sem muita graça, já que a ausência do assassino original pesa muito na conclusão da história. O assassino original, Geison, diga-se de passagem, é interpretado por este que vos escreve essas linhas mal traçadas.

Menininha inocente que também vai pro brejo

O filme ainda guarda espaço para banhos de sangue mais convincentes do que de muitas porcarias que circulam pelos multiplex mundo afora, realizado com maquiagem profissional que dá um pouco mais de seriedade a toda aquela besteira. Os sustos que surpreendem a platéia também são muito interessantes e acredito que um pouco da graça esteja nesse tipo de coisa, que não é lá bem bolada, mas fazem bonito o seu papel.

Há espaço para uma conclusão mais completa, mas o fim da projeção às pressas, faz jus ao final tosco do primeiro filme. Felipe Guerra ainda guardou espaço para uma surpresa, que não engana ninguém, já que um dos diálogos mencionando filmes clássicos de terror dão conta de estragar um pouco desse final surpreendente.

Mas n final das contas vale os 80 minutos gastos, já que consegue fazer o espectador rir, se enjoar, se assustar e, mais que tudo, concluir que nem só de mega-produções vive o homem. O filme foi exibido pela primeira vez no Fantaspoa (Festival de Cinema Fantástico de Porto Alegre), no dia 3 de julho, e, em seguida, ganhou sessões no Cine Ideale, no berço de Carlos Barbosa. Acredito que logo será lançado em DVD, com compras direto com o diretor, mas até lá fique atento a mostras e festivais menores de cinema para dar uma olhada nessa nova obra-prima do meu muy amigo – o Shit!

O resto de uma das vítimas do novo massacre da concentra de formatura

Ficha Técnica:

Entrei em Pânico ao Saber o Que Vocês Fizeram na Sexta-Feira 13 do Verão Passado Parte II  – (2011) – Horror
Brasil – 80 min – Classificação: 18 anos

Direção: Felipe M. Guerra
Roteiro: Felipe M. Guerra
Produção: Eliseu Demari, Felipe M. Guerra, Rodrigo M. Guerra
Efeitos especiais: Ricardo Ghiorzi
Maquiagem: Ricardo Ghiorzi

Elenco

Eliseu Demari (Eliseu)
Niandra Sartori (Niandra)
Leandro Facchini (Guarda-costas)
Rodrigo M. Guerra (Goti)
Kiko Berwanger (Dr. Samuel Lumis)
Oldina Cerutti do Monte (Dona Pamela)
Bruna Seimetz (Bruna)
Maiara Pessi (Maia)
Angélica Dalsin (Angélica)
Thaís Cristina Formentini (Thaís)
Cleo Meurer (Cleo)
Felipe da Silva (Pato)
Thobias Sfoggia (Thobão)
Kasha (Dominatrix)
Ana Carolina Lufiego (Namorada de Thobão)
Zica Fajardini (Mãe de Bruna)

Fábio Prina_27/07/2011

19 de julho de 2011

O Muro em Porto Alegre

A notícia não é nova, mas ainda não tinha encontrado aqueles 15min de ócio para registrar aqui. Roger Waters virá a Porto Alegre, com a maior turnê da história do rock progressivo, The Wall.

Isso não é um boato não! Já tem dia e hora marcada, o local ainda está à definir, mas fala-se muito no Olímpico Monumental, já que o campinho do aterro estará em reformas para a Copa na ocasião. O dia histórico será 17 de março, do próximo ano, um sábado que perpetuará na história, assim como aquele longíncuo março de 2003 ainda faz.

Para os pegos de surpresa, Roger Waters, além de ser o Richard Gere do rock, foi baixista, vocalista, fundador e gênio musical da maior e melhor banda de todos os tempos, o Pink Floyd. Desde  de guri, quando tocava com a galera na Universidade de Cambrigde até o início dos anos 80, quando saiu da banda, foi reverenciado pela sua criatividade a frente das letras que marcaram a história da música.

Essa será a segunda passagem do semideus pelos pagos do Rio Grande. Como dito antes, ele esteve por aqui no dia 12 de março de 2003 e quase completará 9 anos da sua histórica apresentação da turnê In the Flesh, a qual fez os fâs derramarem lágrimas no gramado sagrado da Azenha. Waters ainda teve mais uma passagem pelas terras tupiniquins em meados de 2007, mas excluiu a capital gaúcha de sua turnê, Dark Side of the Moon, onde apresentava na íntegra o álgum homônimo dos tempos do Pink Floyd.

Voltando ao que virá, lá se vão 44 anos da fundação do Pink Floyd. Em 1967 era lançado o disco The Pipper at the Gates of Down, que juntamente com o álbum Sgt. Peppers Lonenly Hearts Club Band, dos Beatles, seria o marco inicial da música psicodélica mundo afora. Foram diversos discos históricos, incluindo a fase de ouro da banda, iniciada por Dark Side of the Moon, complexo e dinâmico disco progressivo, em 1973, e encerrado exatamente por The Wall, uma ópera rock sem prescedentes, até hoje reverenciada como a grande obra da banda, em 1977. Aos, 68 anos, Waters é o único membro original da banda que continua na ativa, esbanjando energia e pretenção em suas apresentaçãos.

The Wall, o disco, foi um sucesso absoluto, galardoado com Platina 23 vezes. Chegou ao topo dos mais vendidos logo após o lançamento e parmaneceu ali por muito tempo, hoje é considerado o 3º álbum mais vendido de todos os tempos do concorrido mercado norte-americano. Após seu lançamento, em 1980, as apresentações de The Wall ganharam sua primeira montagem, com 27 shows apenas na Inglaterra, Alemanha e nos EUA, que acabaram dando prejuízo para a banda, devido a sua grandiosidade. Em 21 de julho de 1990, já atuando solo, o músico encenou a mega-produção em Berlin, na Alemanha, na época para fazer o maior concerto ao ar livre de todos os tempos, para homenagear o país pela queda do famoso muro, que acontecera um ano antes. Em diversas partes do planeta o show foi transmitido ao vivo na ocasião e em 2003 ganhou uma versão luxuosa em DVD. No Brasil, ainda pode ser encontrado em uma edição simples, digna de ser vendida em revistas de quinta categoria, em bancas de rodoviária, por aí.

Porém, mesmo com essa bagagem toda, comparada com a nova roupagem de The Wall Tour, os velhos show parecem brincadeiras de jovens despretenciosos. A estrutura agora trata-se de um muro de 137 metros de largura e 11 de altura, montado entre o palco e a plateia. São 424 tijolos que dão forma a super obra, contruída em 45 minutos, enquanto se é apresentada a primeira parte do show. São 172 alto-falantes, incluindo sorrounds e monitores, mais pirotecnias para dar vida ao espetáculo. 23 projetores são responsáveis pelo movimento que será exibido no próprio muro, com animação original de Gerald Scarfe, que também animou frames para o filme Pink Floyd The Wall, de Alan Parker, lançado nos cimemas em 1982. Ainda, há espaço para o Professor, a Esposa e a Mãe, três personagens que ganham forma através de gigantes bonecos infláveis, de 10 metros de altura.

Tudo isso, exibido nos cinco continentes, iniciado em Toronto, no Canadá, dia 15 de janeiro de 2010, e com encerramento previsto, até então, no dia 25 de março de 2012, no Rio de Janeiro. Apenas o palco usado para os shows é o mais caro e ambicioso da história, com o valor estimado em 37 milhões de Euros. No Brasil, a apresentação será realizada  em três cidades, além de Porto Alegre e Rio, também em São Paulo, que ganhará duas datas.

Curiosidade: em um show da turnê na O2 Arena, em Londres, no dia 2 de maio deste ano, Waters convidou ao palco dois remanescentes da formação clássica do Pink Floyd: David Gilmour e Nick Manson, para dar uma canja na música Outside the wall, que encerra o espetáculo. Rick Wright, falecido, foi o único não presente, daqueles mesmos que tornaram a obra realidade.

A expectativa é grande. Os números surpreendentes e o grande espaço que a mídia vem dedicando dão conta que será um dos maiores eventos musicais da história. Ainda não há informação sobre os valores das entradas, mas a abertura das bilheterias está prevista para setembro por aqui.

Mais Pink Floyd para fãs

Coincidentemente, ou não, será lançado por aqui, no calor da febre Waters, uma série de produtos do Pink Floyd, para encher os olhos de qualquer fã e os bolsos de qualquer gravadora. É um verdadeiro ‘pacotão psicodélico’ com o relançamento de toda obra da banda, mais alguns quitutes, chamados também de versões expierence e immersion dos discos.

26 de setembro – Se você não gastar toda sua grana comprando o lugar mais VIP do estádio para o show The Wall, pode passar em uma loja para conferir a versão remasterizada dos 14 álbuns do Pink Floyd, que podem ser comprados separadamente ou em um box chamado Discovery; Ainda, chega ao mercado também as edições Experience e Immersion do disco Dark Side of the Moon, incluindo uma versão com seis discos (credo!!!), em DVD, CD e Blue-Ray, com trechos de gravações, reportagens e afins;

7 de novembro – A Foot In The Door – The Best of Pink Floyd, coletânia com 16 músicas que marcaram a história da banda, com material gravado no show no Wembley Stadium, em 1974; Mais as edições Expierence e Immersion do disco Wish You Were Here;

27 de fevereiro 2012 – Um dia antes do meu aniversário, sairá as edições Expierence e Immersion de The Wall, a segunda, com um total de sete discos, entre CD, DVD e Blue-Ray. Todo material também será lançado em vinil e downloads digitais. Tá aí uma boa dica de presente pra quem quiser me fazer uma surpresinha.

Ufa! Era isso.

[ATUALIZADO – 10/10] Devido ao aumento para oito shows na Argentina, as datas das apresentaçõs de Waters no Brasil foram reagendados. Em Porto Alegre o espetáculo acontece no Estádio Beira-Rio, no dia 25 de março. Valores dos ingressos e outros serviços do show ainda não foram divulgados.

[ATUALIZADO 2 – 14/10] O primeiro lote de ingressos para a turnê The Wall em Porto Alegre, exclusivos para os fãs cadastrados no site oficial do músico, saiu com preços exageradamente salgados e discutido (pelo menos mencionado) neste post aqui.

Fábio Prina_19_07_2011

7 de junho de 2011

À Espera de lady Croft

A nova Lara Croft, se remendando no melhor estilo RamboIII

Nunca fui muito chegado a videogames. Tive minha fase Atari, logo lá pelos 7, 8 anos. Depois, minha irmã ganhou, num certo natal, um Master System, com Sonic imbutido… foi uma febre incontrolável. Mais tarde, trocamos o Master por um videogame melhor, estamos falando de 16Bits. O MegaDrive, o melhor console da história, científicamente provado. Foi ali que desenvolvi habilidades naturais em Sonic2, Street Fighter 2 – Champion Edition, Mortal Kombat, GunStar Hero, Evander Hollyfield Boxing, Olimpic Games – Barcelona 92, International Superstars Soccer, entre outros.

Mas fora isso, nunca fui muito de videogames. Meus amigos mantiveram a tradição e migraram para Nintendos, Playstations, 3DOs e aquele outro da Sega que era tão bom que faliu. Enfim, fiquei no limbo dos jogos e só me sentava ao lado da galera pra jogar em raras ocasiões. Além dos campeonatos de futibolzinho e Golden Eye, pouco me envolvi com as modernidades. Pouco, porque gostava de um jogo, para salvar a pátria, aquele da gostosa que corria no meio do mato. Se chamava Tomb Raider.

Nunca fui um exímio jogador, na real, hora e meia eu empacava em algum lugar e tinha que pedir socorro para outros jogadores através do telefone (sim, na época usavámos o telefone) para saber onde eu tinha que ir, onde eu tinha que me pendurar e o que afinal eu estava procurando.

E não foi só eu que fiquei cativado pela coisa, o jogo foi um sucesso, com continuações, franquias e até uma despresível adaptação cinematográfica e sua sequência, com Angelina Jolie puxando a frente. Mas com o tempo, até a nossa querida Lara Croft caiu no esquecimento. Até por esses dias.

Nas andanças pela internet, me deparei com um trailer fantástico sobre o retorno da mais famosa heroína dos games, em uma espécie de rebut da série. A animação ficou muito bacana e veio acompanhado de uma nova rolpagem para a mina, que renasce das cinzas como uma jovem e assustada sobrevivente de um naufrágio, numa ilha do tipo Lost, tá ligado? Então o resto é um pouco mais do mesmo, ela, controlada por alguém, precisa desvendar enigmas, lutar contra forças misteriosas e encontrar atalhos para garantir sua sobrevivência. Segundo o site Omelete, que fez uma resenha bacana neste link aqui, a personagem de Lara irá ganhando novas habilidades e amadurecendo durante a decorrência do game, tipo roteiro hollywoodiano, onde o herói se autodescobre no final das contas. Que bonito!

Mas o que interessa nesse meio tempo é que a jogatina vai estar de volta, nesses aparelhos modernos como aquele que eu tenho em casa (todo mundo volta atrás um dia). Vamos ficar na expectativa para ver o que acontece. E curtindo o material de divulgação que, como a própria heroína, está exuberante.

O excelente trailer do novo Tomb Raider, vale a pena dar uma olhada

E aqui, uma prévia do jogo jogado. Mas que beleza!

Fábio Prina_7/6/2011

11 de maio de 2011

Top 10 Maxim 2011

Como é postado tradicionalmente, ano pós ano, neste refúgio de cultura inútil na internet, reproduzo a ‘lista definitiva’ das mulheres mais bonitas do mundo. Pelo menos essa é a chamada da revista Maxim quando anúncia sua Hot 100 list.

O esquema, como muitos sabem, é que talvez não seja de consenso de todos, mas com certeza é de apreciação da maioria, que nesta relação estão as personalidades feliminas mais quentes, as mais gatas ou as mais sexys da atualidade. Enfim, essa é a grande lista de mulheres, que há 11 anos, mapeia as celebridades em todo mundo na busca pelo ideal de beleza.

Sem mais delongas, segue abaixo as dez mulheres que encabeçam a Hot 100 List da Maxim em 2011. Tudo mulher bonita pra galera da obra dar uma espiada…. e coisa boa!

Em tempo, se quiserem conferir as Top10 dos anos anteriores, publicadas neste humilde blog, seguem os links: 2010, 2009 e 2008. E, mais uma! Olha só a barbadinha, se clicar sobre as fotos das gatas, cai no link direto da Maxim com mais fotos, perfil e até vídeos das beudades! Como diria meu amigo Roger Lerina… benzadeus!

10

9

8

7

6

5

4

3

2

1

Fábio Prina_11/05/11

27 de abril de 2011

To the sea – Tour 2011

Dia 2 de junho,próximo, se eu não estiver em viagem de trabalho, vou conferir um dos meus grandes ídolos da música de perto. Apesar de que sempre que manisfesto isso, me transformo em alvo de bullyng de amigos e conhecidos roqueiros. O cara em questão é um certo havaiano surfista, formado em cinema em Los Angeles, chamado Jack Johnson.

Se alguém, algum dia já visitou esse blog, sabe que já proferi minha admiração pelo sub-gênero surf music e que também já comentei sobre o álbum Sleep Through the Static e disco ao vivo En Concert do artista em questão. O esquema é que Johnson estará em Porto Alegre, no mês dos namorados, trazendo a turnê de seu último disco de estúdio To The Sea, gravado completamente com recursos naturais, dentro da militância ecológia do artista.

Jack Johnson já esteve por essas bandas, em 2006, quando também fez um show histórico no estacionamento do Anhambi, em São Paulo, que acabou se tornando um best-download, entre os mp3 piratas da internet. Na ocasião, seu melhor disco, In Between Dreams, estava no auge, com reprises enjoativas nas rádios e fãs histéricas se acotovelando para alcançar o ex-surfista no palco.

Não que isso tenha tenha mudado muito, acredito que um dos grandes preconceitos para quem não conhece muito do músico é a popularidade de alguns hits, que volta e meia estão por aí, e também pela “fama” de bonitinho das adolescentes. Sei lá, alguma coisa assim.

Mas de fato, existe uma ótima música em seus discos. Uma música tranquila, com temas que vão do mar ao budismo, passando pelo romance e pela vida simples, e até mesmo, temas infatis, como na trilha sonora do filme George Curioso, feita por ele mesmo. A simplicidade dos acordes, o ritmo lento, ganham ares de genialidade, ao ser percebido, como o mais corriqueiro, pode se tornar tão inovador e bonito.

Ao lado do bambambam Johnson, estão outros músicos/surfistas que da mesma forma, esbanjam talento nas notas econômicas: Adam Topol é o baterista, Zach Gill é o pianista e Merlo Podlewoski cuida do baixo. Essa é a formação que acompanhará o contor em sua passagem pelo Brasil, que além de PoA, passa também por Floripa, Sampa, BH, Brasília e Fortaleza, em oito performances.

Uma curiosidade interessante, que particularmente me impressiona muito, é que 100% da renda pessoal de Jack Johnson, dos show desta turnê, são doados para ONGs de caridade, algumas inclusive, fundadas por ele mesmo. Como havíamos comentado anteriormente, sua militância em questões ecológicas e contra a pobreza é quase um fanatismo religioso para o músico, que não fica chateando com discursos hipócritas no meio dos shows ou em encontros políticos de fachada, mas põe a mão na massa mesmo, criando instituições e incentivando meios alternativos de se viver em estabilidade com o meio ambiente. Nada incomum para um surfista boa praça como ele, mas quando chega ao ponto de abrir mão das verdinhas para ajudar o próximo, sem apelar a mídia pra mostrar que está fazendo uma boa ação, aí é que mora o meu espanto. Daí eu me pergunto, e como vive essa excêntrica persona, e diria ele: “de modo simples, com a venda de CDs e a produção de álbuns para amigos e outros artistas locais, dá pra levar uma vida bacana assim”.

Pois é, se todo mundo se contentasse com o que realmente precisa e se esforçasse pra fazer um bem maior, a coisa seria diferente. Mas deixando os delírios de lado, voltamos ao mundo real.

A função acontece, como dito anteriormente, no dia 2 de junho, no Ginásio Gigantinho, em Porto Alegre, as 21h. Para maior conforto do planeta, o anfitrião convida a todos a comparecerem utilizando transportes coletivos e evitar o despejo de lixo pelas ruas e arredores do local. Nada que seja tão difícil assim, de fazer todos os dias. Até lá.

Fábio Prina_27/04/2011

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: